Empreendendo aos 8 anos de idade

Sempre que alguém passa a conhecer o meu trabalho recentemente se depara com o questionamento “como essa menina tão jovem está à frente de tudo isso?”… e lá vai eu explicar. Como essa é uma dúvida muito frequente, decidi começar a escrever uma série de textos onde compartilho algumas experiências que já vivi por ser uma jovem empreendedora.

Acontece que minha jornada no mundo do empreendedorismo não é nova, o lado business esteve presente em mim desde criança e quem vê uma jovem de 20 anos jamais imagina que ela já tem mais de 12 anos de experiência. Minha primeira vivência com empreendedorismo foi aos 8 anos de idade com um projeto de impacto social, bem como nos filmes americanos.

(foto ilustrativa)

Nessa época, eu frequentava uma igreja do meu bairro e todo ano no mês de agosto essa igreja realizava uma festa para arrecadar fundos. Desde os 5 anos de idade gostava de brincar de vendas e pensei “nessas festas sempre colocam algumas barraquinhas de comida e minha mãe é voluntária. Vou me voluntariar e vender com ela na barraca pra ajudar na reforma da igreja — a estrutura precisava MUITO de uma reforma -, quero fazer minha parte”. Acontece que eu não sabia que criança não “entendia dessas coisas de adulto” e que mesmo com minha mãe do lado eu não “conseguiria ou poderia fazer aquilo”. Eu queria muito ajudar a causa e também queria muito ter meu primeiro negócio.

Eu sempre tive uma personalidade forte e quando queria algo, fazia por onde acontecer. Até hoje algumas pessoas da família me chamam de Monnaliza Laís Teimosa por isso. Bati o pé e decidi que queria sim fazer aquilo. Mesmo tendo recebido aquele não, comecei a pensar em formas de hackear o sistema e conseguir arrecadar dinheiro.

Comecei olhando ao meu redor, as crianças da minha idade e o que acontecia no nosso mundinho. Percebi que a maioria das crianças, assim como eu, gostava muito de doces e nas barracas da igreja não tinham muitas guloseimas. Do outro lado da rua, no entanto, tinha uma mercearia que vendia doces, porém os pais sempre usavam a desculpa “é perigoso atravessar a rua, porque é uma avenida grande e movimentada, e a essa hora da noite eu não vou lá.” e a gente sempre acabava na vontade de comer doce.

Foi quando na semana do meu aniversário, que convenientemente era uma semana antes da festa da igreja, fiz um crowdfunding antes mesmo de saber o que era: pedi para meus tios, primos e amigos, que me dessem de presente de aniversário não brinquedos, mas sim: balas, doces, pirulitos, etc., porque eu queria fazer uma barraquinha para vender.

A semana da festa chegou, coloquei uma mesinha escolar e uma cadeira na porta da igreja e comecei a vender. O estoque de doces que era para durar 15 dias acabou em 2 e a empreitada foi um sucesso total. Os pais olhavam pra barraca e pensavam “droga, agora não tenho mais desculpas” e as crianças não paravam de pular de felicidade. No final, peguei todo o dinheiro arrecadado e entreguei para a responsável pelo caixa do evento.Os adultos ficaram perplexos com minha atitude e depois ainda recebi vários elogios.

Moral da história: mesmo sendo criança, identifiquei uma necessidade de mercado que as pessoas mais velhas não estavam conseguindo visualizar e me destaquei, consegui vender mais do que algumas das barracas que tinham sido escolhidas e operadas por adultos. E esse foi o melhor presente de aniversário que já ganhei até hoje. Foi minha primeira experiência empreendendo e primeira realização profissional. Por isso que não devemos JAMAIS duvidar ou diminuir o sonho de uma criança.

Mas o que eu aprendi com essa experiência mudou a minha vida completamente, nunca mais parei de empreender e todos os outros projetos que desenvolvi desde então tiveram o fator social envolvido.

Hoje, aos 20 anos, já acumulo alguns números, como: 17 experiências de voluntariado, mais de 3000h/aula assistidas em eventos, cursos e palestras, impacto em mais de 11 mil pessoas por meio de palestras e eventos que promovi ou contribui, e o prestígio de ter 5 reconhecimentos de nível nacional.

Atualmente estou liderando a maior comunidade de empreendedorismo e tecnologia do Rio Grande do Norte o Jerimum Valley, sou Community Leader da InovAtiva Brasil, embaixadora do maior evento de startups da América Latina, o C.A.S.E da Abstartups e embaixadora da aceleradora Darwin no RN. Em paralelo, gerencio o setor de marketing da startup Outgo e estou desenvolvendo um projeto chamado Jovens Líderes (jovenslideres.com), que visa inspirar e capacitar jovens empreendedores pelo Brasil.

Ao longo de 2019 irei compartilhar algumas dicas e experiências que vivi ao longo da minha trajetória como jovem empreendedora. Se você tem interesse no assunto: comenta aqui embaixo se você também começou a empreender desde cedo e Conecte-se comigo no Linkedin: linkedin.com/in/monnalizadm/. 😉